Wednesday, March 04, 2009

Detalhes

A ida para o aeroporto
Lá na parte do Brooklyn que eu moro não existem os famosos taxis amarelos de NYC, então sempre vamos sair de taxi ligamos para um serviço de carros que vem buscar a gente na porta de casa. Eu havia pedido um carro para nos levar ao aeroporto e havia frisado que o carro precisaria ser grande, talvez até uma caminhonete, para que as nossas malas para uma viagem de um mês e o carrinho do baby Thomas coubessem no porta-malas sem sufoco. O carro até apareceu na hora, mas era bem pequeno e eu jurava que não irioa comportar toda a nossa bagagem. Graças a paciência do motorista, conseguimos fazer milagres e rumamos para o JFK. Pensei com os meus botões: as coisas não começaram bem.

O pré vôo
Durante o trajeto para o aeroporto o baby dormiu como um anjo no Baby Bjorn. Êta, coisinha mágica. É sentar o Thomas naquele negócio que ele dorme sem parar. Conseguimos despachar todas as malas e não nos cobraram excesso de peso.
Fomos esperar da sala vip da American Airlines. O thomas acordou reclamando de fome, mamou e troquei a fralda dele. Voltou a dormir. Assisti os Oscars no mesmo sofá que o Dustin Hoffman (chique, não?) e esperamos o nosso vôo, que estava atrasado, ser chamado. Chegando nas nossas poltronas e vimos todos os outros passageiros tentarem se remanejar para não passar a noite perto de um recém-nascido. O frio dentro do avião era tamanho que não tiramos o macacão que o Thomas normalmente usa para sair quando está nevando em NYC.

O vôo
Coloquei o Thomas para mamar na decolagem como recomendado pelo pediatra e todo mundo mais que conversei. Tranquilíssimo. Nem um chorinho de dor de ouvido. Ufa! Menos uma na lista de medos de viajar com um recém-nascido. O vôo em si foi super tranquilo também. O baby dormiu a noite toda, só acordava para mamar e era até difícil escutar ele chiar com o barulho do avião. O bercinho que eu havia requisitado à cia aérea não existia, mas como o avião estava super vazio (domingo de carnaval), o Thomas dormiu numa caminha improvisada numa poltrona vazia ao lado da minha. As fraldas foram trocadas no mini banheiro do avião, mas sem nenhum tropeço.
Na aterrisagem o baby dormia e não quis pegar no peito de jeito nenhum. No entanto o Thomas também não chorou e a mamãe aqui continuou a riscar itens da sua listinha. Recebemos elogios dos nossos companheiros de vôo e das aeromoças. Ponto para o baby que se comportou muito bem!

A chegada ao Rio
Impressionante como não só a temperatura ambiente aumentou. O calor humano sempre me surpreende quando chegamos ao Brasil. As pessoas quando te vêem com um bebê aqui sempre perguntam o sexo, a idade, o nome. Falam que é fofinho, que é isso e aquilo... Nos EUA ninguém se aproxima, mal percebe que você está com um bebê.
E o calor do verão, ai meu Deus, tinha me esquecido como esse pode ser alto... O baby estranho demais. Acho que estranhou não ter que usar muita roupa, estranhou seu próprio suor, estranhou tudo. Nossa primeira noite no Brasil foi muito difícil. O Thomas chorou desesperadamente, como nunca chorou. Acho que foi muita mudança para ele. Muito calor, muita gente, muito tudo. E a gente que estava tão acostumado com a nossa vidinha pacata de duas, no máximo três pessoas num mesmo ambiente. Chegamos no Brasil e era um tal de todo mundo querer pegar o baby no colo, beijar, abraçar... O pequeno estranhou e quando a noite chegou quis colocar essa energia pra fora em forma de choro. Eu fiquei super ansiosa, querendo acalmar o bichinho. Ele só parou quando cansou. Nada que eu fizesse ajudava a criatura. Chorou, chorou, chorou. O meu coração na mão. E de repente virou o pescocinho, caiu no sono para acordar muitas horas depois no seu bom-humor usual. Ufa! Foi só um susto. A carruagem não virou abóbora, o príncipe não virou sapo. O nosso baby voltou a ser o gente-boa de sempre.
Uma coisa interessante é que o Thomas mama infinitamente mais frequente aqui no Brasil do que nos EUA. E me levou um tempinho até entender isso.

Agora estamos aqui na casa dos meus pais,em Vitória, onde ficaremos o restante do mês. Os dias têm sido super gostosos, apesar do calor que tem feito. Ter comidinha gostosa na mesa, cama feita e amor por todos os lados não tem preço. Ainda bem que quando chegar a hora de ir para casa já não vai estar tão frio. Largar toda essa mordomia para trás não vai ser fácil.

5 comments:

MP said...

eeeeeeeeeeeee!! que bom que deu tudo certo!!!! pões umas fotos pra gente!!!!! beijos e saudades (como sempre)

JULIANA said...

Que bom qua foi tranks né?
Ele deve mamar mais pq deve ter muita sede, será?

Anonymous said...

Querida,

esta o máximo ter vc como vizinha de novo, estou amando!
agora a minha campanha é:fica mais, fica mais, fica mais, entra o mês de abril aqui conoscoooooo!!!

Anonymous said...

Ju, que otimo ter noticias e saber que esta tudo bem!!

Muito bom estar em casa ne?

Muitos beijos pra todos e se cuida!

milenamb

robertinha said...

querida, ja nao ta mais tao frio...
nao vejo a hora de ver vc de novo e o thomas grandinho :)
estamos aqui te esperando!
bjo