Tuesday, February 02, 2010

Inexperiência

Eu sempre gostei de criança. Sempre. E elas também gostavam de mim. Não podia ver um bebê que me derretia toda. Queria estar perto, fazer gracinha, segurar no colo. E sonhava no dia em que viraria mãe.

Eu sempre pensei que ser mãe seria uma coisa muito fácil pra mim, que os instintos surgiriam e que o meu relacionamento com os meus filhos seria maravilhoso.

Eu não sabia de nada. Achava que quando se reclamava de sono (ou da falta de), estavam falando de somente 3 meses, que depois naturalmente os bebês aprendiam a dormir a noite toda. Achava que os bebês largavam o peito depois de um certo tempo, a chupeta também. Achava que começavam a comer comidinhas sólidas no seu tempo. Achava que os dentes nasciam e não doíam (ou melhor, nunca pensei na questão dos dentes. Simplesmente este tópico nunca passou pela minha cabeça). Achava que bebês não faziam pirraça, só crianças.

E agora, depois de um ano, aprendi tudo isso na marra. Meu bebê nunca dormiu bem, nunca comeu bem, não quer saber de largar o peito de jeito nenhum... Tudo bem que ele largou a chupeta de um dia pro outro quando fez 8 meses. Mas de forma geral, tenho aprendido tudo "the hard way". Meu bebê é um docinho, sorridente, simpático, mas, não, não veio com manual de instruções.

11 comments:

Rafaela said...

hahahaha!
estou com 1 de 1 mes em casa e estou descobrindo dia a dia que mesmo depois de ter lido sobre bebes a gravidez inteira eu nao sei NADA de bebes... rsrsrs...
Boa sorte, enjoy the ride!

Carol P said...

Pois eu tambem estou aprendendo da maneira mais dificil, pois sempre pensei q fosse facil lidar com criancas.....
Menos mal que a gente sobrevive e nossos filhos estao saudaveis ; )

Fernanda said...

TOTAL!
O Andre foi um bebe tão dificil também, me dei conta (na marra) que instinto materno é propaganda enganosa e que quando nasce nosso primeiro filho nasce também uma mãe e que os dois juntos, tem que ter um tempo de se conhecer e construir laços, né? Eu olho pra tras e vejo como fui dura comigo mesma, me cobrei tanto e deixei de aproveitar muitos momentos preciosos com ele. Oh well... Acho que por isso o segundo filho é tão mais fácil. Vivendo e aprendendo!

Anonymous said...

gata, a vida não tem manual, imagino que a maternidade menos ainda. beijocas e vou mandar o cd pela mi. Clô

Grenfel said...

Meu amor, voce eh uma mae excelente. A melhor mae que o Thomas poderia desejar. O Thomas e criado com muito amor, e isto eh o que importa no fim das contas. O resto eh perfumaria. Beijos, -G.

Flavia said...

Oi Juju,

a inexperiencia nos faz acreditar que eles já são grandes o suficiente para dormir a noite toda, ou para deixar de mamar no peito ou querer estar grudados o tempo todo com a mãe...
O João dormiu a noite inteira com mais de 15 meses, mamou até quase 20 e as vezes ainda acredito que tive pressa por desmama-lo, e que poderia ter amamentado um pouco mais.

Se você desfruta de amamentar não tenha pressa por desmamar, e aproveita! Porque eles crescem rapido, e quando passa essa fase tão gostosa, a gente morre de saudades. (das noites intermitentes, não muito hehehehe).

Vocês formam uma familia muito linda! Parabens!!

beijos

Paty said...

juju, babies nao tem manual de instrucao, mas mesmo assim, ja somos as melhores maes para eles... o comeco com a babi foi muito dificil, pois eu tinha perdido a minha mae um mes antes dela nascer. entao senti ainda mais falta dela!!! ha tempos venho aqui, mas a correria das ultimas semanas nao tem me deixado fazer mais nada!!!! bjs

Mara said...

Oi Juju, eh assim mesmo. Aprendemos na pratica, nao tem manual de instrucoes. Alguns livros ajudam, mas a gente esquece tudo na hora da birra (tambem nao sabia que bebes faziam birra), na hora do sono ou irritacao com os dentinhos... ah os dentinhos! Tenho uma filhinha com quase a idade do Thomas, essa noite ela acordou 8 vezes (ate onde consegui contar).
Sempre que posso dou uma espiadinha no seu blog, nao lembro como cheguei aqui, mas certamente foi pesquisando algum produto para bebes. Tambem sou designer e ja morei pertinho de voce ha alguns anos.
Parabens pela linda familia!

Nath said...

Só você para dizer tudo tão bem dito. Assino embaixo com as minhas noites não dormidas. Mas faço um adendo. No dia em que te conheci, ainda grávida, fui embora admirada com a maneira como o Thomas olhava pra você. Não era só o amor incondicional que um bebê de quatro meses tem pela mãe. Era um olhar de confiança tão profundo que eu guardei na memória como uma das definições do que é ser uma boa mãe. Acho que nunca te disse, mas aquele momento me inspirou continuamente nos meus primeiros meses de maternidade. O Thomas é um menininho maravilhoso em tantos sentidos porque você é uma mãe naturalmente especial.
E muito obrigada por, de vez em quando, ser o meu manual de instruções.
Um beijo,
Nathalia

Carol Barros said...

E quando agente acha que dominou total aquela fase e já está 'expert', aparecem outras 'cositas' mais; mas que graça teria se não fosse assim, né?
E, depois que passa fica uma saudade...
Bjs

piscardeolhos said...

Uma caixinha de surpresas, é isso que ela é, a maternidade.
Por isso que eu tenho vontade de abraçar todas as grávidas que vejo e dizer "calma, não vai ser nada disso que vc está pensando, vai ser muito mais difícil e challenging do que vc pensa.
(e infinitamente mais intenso e maravilhoso.)