Wednesday, November 15, 2006

Marisa Monte no Beacon Theater


Desde os tempos de

“Tu és divina e graciosa, estátua majestosa
Do amor, por Deus esculturada
E formada com ardor
Da alma da mais linda flor de mais ativo olor
Que na vida é preferida pelo beija-flor
Se Deus me fora tão clemente aqui neste ambiente
De luz, formada numa tela deslumbrante e bela
Teu coração, junto ao Meu lanceado
Pregado e crucificado sobre a rósea cruz do arfante peito teu...”,


quando ia para o sitio com meu tio no volante, e eu e minhas primas cantarolávamos a musica que vinha do toca-fitas do banco de trás do Monza cor de vinho. Ar condicionado em carro era coisa de luxo e eu quase sempre enjoava nas viagens de carro. A musica me distraia. Eu devia ser bem novinha, uns dez anos de idade e já gostava de Chocolate, Bem Que Se Quis, Rosa... Hoje, quinze anos depois, sou fã de carteirinha da Marisa Monte e vou correndo para a loja comprar seus cds enquanto ainda estão fresquinhos. Agora, estando longe do Brasil, analiso as letras com mais amor. Elas parecem fazer mais sentido, me trazem uma proximidade a minha origem, as minhas raízes. As palavras parecem ter mais significado. Minha mãe me deu de presente um dos cds que ela lançou recentemente e eu devorei todas as musicas, letras, suspiros, rapidinho. De repente já estava cantando tudo e me via com um sorriso no rosto quando, no metro, meu ipod tocava as primeiras notas de uma dessas musicas. Fiz o download do outro cd e me familiarizei com os sambinhas de Universo ao meu redor em poucos dias.

Ontem, depois de quatro meses de espera com os ingressos na mão, chegou o dia do show. O local era o Beacon Theater, um teatro no coração do Upper West Side. Sai do trabalho empolgada e fui encontrar com o Grenfel e mais dois amigos. Nunca vi tanto brasileiro junto. Fiquei brincando dizendo que naquele lugar tinha mais brasileiro que no Brasil. Todos pareciam ansiosos que nem eu. Que bom, pensei, vai ser animado.

O show começou. A primeira musica ela cantou no escuro: Infinito Particular, musica tema de um de seus últimos cds. A brasileirada começou a mostrar falta de educação: muita gente chegou depois do começo do show, cortando o clima dos que aguardavam por aquele momento ha meses, que nem eu. Tentei abstrair e curtir aquela voz linda.
Eu tinha feito a maior propaganda sobre os cenários dos shows dela para um dos nossos amigos. Quando chegamos la não tinah cenário algum. Podíamos ver o fundo do teatro, com uma escada encostada, pedaços de madeira, panos. Nada demais. Mas assim que o show começou de verdade, a surpresa aconteceu: telas de luz se moviam de acordo com o ritmo das musicas e, em alguns momentos, imagens passavam nessas telas (velas queimando, uns “canários” de papel numa gaiola, um lençol ao vento...). Tudo de muito bom gosto e sensibilidade visual. Realmente um espetáculo.

No decorrer do show fui me aborrecendo com meus “vizinhos de cadeira” brasileiros que só conversavam e não prestavam atenção no show. Ai outros gritavam bem alto: cala a booooooooooca. Uma baixaria só. Triste ver que os brasileiros se comportam assim. Triste lembrar que o povo brasileiro é mal educado desse jeito. Mas isso não apagou a minha vontade de curtir a noite. Cantei todas as musicas, dancei e me emocionei.

Lembrei muito da minha afilhadinha linda quando ela cantou Maria De Verdade.

“Sou a pessoa Maria
Na água quente e boa gente tua Maria
Voa quem voa Maria
e a alma sempre boa sempre vou à Maria”


Lembrei de voce, minha linda, que trouxe significado novo para nossas vidas e alegra ate os momentos mais tristes.

Ela nao cantou Geranio, minha musica predileta de Infinito Particular, que ja ate coloquei aqui no blog. Esperava ansiosa o comeco de cada musica para ver se essa vinha, mas acabou nao vindo.

O show terminou com a cantora de pe, empolgada, num vestido preto com flores coloridas. O publico tambem ja estava de pe e aplaudiu muito quando ela saiu do palco. E ela volta, cheia de energia. Canta entao Velha Infancia seguida por Ja Sei Namorar levando o publico ao delirio.

Eu sai de la com gostinho de quero mais. E com a esperanca de, na epoca do proximo show, ter mais dinheiro para comprar um assento melhor.

1 comment:

Flavia said...

ju!
Que delicia esse show hein?
Eu assisti ao manhatan connection esse domingo último e eles estavam comentando do show...lembrei logo de vc...
me avisa quando o site estive no ar.
Beijos!